Colesterol – parte 2

Colesterol – parte 2

Dando sequência à parte 1, em alguns casos, a dieta e exercícios físicos regulares são suficientes para diminuir e controlar os níveis sanguíneos de colesterol; entretanto, nem todos os casos são iguais. Há certas condições que demandam o uso de tratamento farmacológico, para ajudar a reduzir as concentrações sanguíneas de colesterol.

Uma dessas condições é uma doença hereditária chamada hipercolesterolemia familiar (HF). Nestas situações, há diversos tratamentos disponíveis e o seu médico é a pessoa mais adequada para decidir sobre estes tratamentos, dependendo da situação clínica de cada paciente.

Estes medicamentos são os seguintes:

  • Estatinas

As estatinas inibem a enzima que o fígado usa para produzir o colesterol.  Em consequência, o fígado produz menos LDL colesterol, que é retirado do sangue. Os níveis mais baixos de LDL podem fazer baixar os níveis de triglicerídeos e aumentar os níveis de HDL. Este tipo de tratamento á mais usado para reduzir a quantidade de colesterol e a sua absorção.

  • Inibidores da absorção do colesterol

Estes inibidores ajudam a diminuir os níveis sanguíneos de LDL colesterol. Eles inibem a absorção do colesterol do sistema digestivo, reduzindo a quantidade de colesterol absorvido dos alimentos.

  • Sequestrantes dos ácidos biliares

Eles diminuem os níveis do LDL colesterol. O corpo humano musa o colesterol para produzir a bile, que é constituída por ácidos que atuam na digestão de alimentos. Este tipo de medicamento liga-se aos ácidos biliares evitando que eles sejam usados no processo digestivo, levando o fígado a produzir mais bile. Para tanto, o fígado usa mais colesterol, o que resulta em menores níveis sanguíneos.

  • Ácido fíbrico e fibratos

Eles são usados para baixar os níveis sanguíneos dos triglicerídeos, desintegrando-os para que o corpo os use para outros fins. Isto gera menores níveis sanguíneos de triglicerídeos e maiores níveis de HDL colesterol.

  • Niacina

Ela ajuda a aumentar os níveis sanguíneos do HDL colesterol e baixar os do LDL colesterol, o que também tem um impacto sobre os triglicerídeos. Esta é uma vitamina do complexo B, que precisa ser tomada para diminuir os níveis sanguíneos de colesterol apenas quando o seu médico indicar.

  • Inibidores PCSK9

Estes medicamentos são prescritos quando a dieta e os outros medicamentos não são suficientes para baixar os níveis sanguíneos do colesterol. Estes medicamentos são mais usados nos casos da HF. Eles ajudam a diminuir os níveis sanguíneos do colesterol total, do LDL colesterol e dos triglicerídeos, aumentando também os níveis do HDL colesterol.

É importante que todos os pacientes estejam sob supervisão médica e que apenas tomem os medicamentos por eles prescritos.

Quais alimentos têm o maior impacto sobre a saúde?

Os alimentos altamente processados, ou os que contêm alto teor de gordura saturada também contêm alto teor calórico, de sódio e de açúcar.

As gorduras saturadas aumentam os níveis sanguíneos de LDL colesterol. Uma dieta balanceada, sem pular refeições, evitando longos períodos de jejum, controlando as porções e os excessos e reduzindo a ingestão de alimentos altamente processados contribuirá para manter um estilo de vida saudável.

Como diminuir o risco cardiovascular?

A fundação canadense ‘Heart&Stroke’ forneceu as seguintes dicas para as pessoas que têm altos níveis sanguíneos de colesterol:

Siga uma dieta balanceada que inclua alimentos com baixo teor de gorduras saturadas: coma as suas refeições acompanhadas com uma porção de verduras e legumes frescos; coma alimentos com grãos integrais de arroz e quinoa; escolha carnes magras, pedaços de frango sem pele e peixes pelo menos duas vezes por semana.

Inclua mais legumes nas suas refeições e escolha, tanto quanto for possível pratos vegetarianos e alimentos sem açúcar; evite sobremesas e bebidas com alto teor de açúcar; faça pequenos lanches entre as refeições principais, que podem ser uma combinação de frutas, como maçã e queijos com baixo teor de gordura (por exemplo, tipo minas frescal).

Com maior frequência, tente cozinhar as suas refeições em casa, uma vez que isso permitirá que você escolha alimentos com baixo teor de gordura, ou não processados. Ao preparar as suas refeições, reduza as quantidades de sal e de açúcar.

É importante diminuir o número de vezes em que você come fora de casa, em restaurantes ou em bufês e, quando você eventualmente decidir comer fora, escolha restaurantes que preparem os alimentos com legumes frescos, e evite comer carnes processadas; não coma grandes quantidades e, se sobrar comida, leve-a para casa e coma no dia seguinte.

Tente manter um peso adequado e saudável. O excesso de peso e a obesidade ajudam o corpo a reter mais gordura e colesterol.

Faça exercícios físicos regularmente, para aumentar o seu HDL colesterol, diminuir o seu peso e diminuir o seu risco cardiovascular. Faça caminhadas, ande de bicicleta, nade pelo menos 30 minutos por dia.

O meu “personal trainer” recomenda que o exercício físico precisa ser eficaz, duradouro e regular (de vez em quando, pare e verifique a sua frequência cardíaca – número de pulsações por minuto – que deve ser ao redor de 120 por minuto. Abaixo deste valor, o exercício físico não é eficaz).

Não fume e aprenda a reduzir o nível de estresse!

Dicas sobre alimentos

Escolha alimentos ricos em Ômega 3 e em gorduras poli insaturadas, como salmão, sardinha, truta. Escolha óleo de canola ou girassol, ou de amendoim, use margarinas e coma nozes e frutas secas com pouco sal, coma abacate.

Coma porções moderadas de milho, e porções pequenas de alimentos que contenham gordura trans, como salsichas, fígado, salame, mortadela, chocolate e bebidas com açúcar.

Evite os alimentos que contenham gordura trans como biscoitos, croissants, bolos, “fast food” e alimentos fritos.

Fonte: http://ihhub.org/cholesterol/

_______

Se você tiver colesterol LDL acima de 210 mg/dl e membros em sua família com infarto do miocárdio em idade inferior a 45 anos, entre em contato com o InCor pelo e-mail hipercolbrasil@incor.usp.br, enviando como anexo uma cópia ou foto do seu exame de colesterol junto com um número para contato telefônico. A Equipe do Hipercol Brasil entrará em contato com você!

Além do Hipercol Brasil, também a UNIFESP faz diagnóstico genético da HF: Endereço: Rua Loefgren, 1350. CEP - 04040-010. Fone: 11-55764961. E-mail para marcar coleta: waleria.toledo@gmail.com

Continue visitando o nosso site para aprender mais sobre a HF. Leve esta notícia ao seu médico. Espalhe que a HF é tratável, quanto mais cedo for diagnosticada, melhores são os resultados. A HF é familiar, passa de geração em geração, portanto todos precisam ser diagnosticados.